saocamilolelis igreja_matriz

Paróquia São Camilo de Léllis,

"Uma obra de fé, abençoada pelo espírito comunitário dos cristãos da Mata da Praia".

COMUNHÃO
Tempo Comum e Festas Litúrgicas


493 (Tom: F) Letra e Música: Frei Fabreti (Cantai - CD 4 / CD Palavra de Vida - Paulinas)
Feliz o homem que ama o Senhor / e segue seus mandamentos.
/ O seu coração é repleto de amor, / Deus mesmo é seu alimento.
1 - Feliz o que anda na lei do Senhor / e segue o caminho que Deus
lhe indicou: / terá recompensa no Reino do Céu / porque muito amou.
2 - Feliz quem se alegra em servir o irmão / segundo os preceitos que Deus lhe ensinou: / verá maravilhas de Deus, o Senhor, / porque muito amou.
3 - Feliz quem confia na força do bem, / seguindo os caminhos da
paz e o perdão: / será acolhido nos braços do Pai / porque muito amou.
4 - Feliz quem dá graças de bom coração / e estende sua mão ao sem-voz e sem-vez: / terá no banquete um lugar para si / porque muito amou.

494 (Tom: F) Letra e Música: Pe. José Freitas Campos (CD Tua Palavra Permanece - Paulinas)
1 - Bem-vindos à mesa do Pai, onde o Filho se faz fraternal refeição. /
É Cristo a forte comida, o pão que dá vida com amor-comunhão.
Vinde, ó irmãos, adorar, / vinde adorar o Senhor. / A Eucaristia nos faz Igreja, / comunidade de amor. (bis)
2 - Partimos o único pão, no altar refeição, oh! mistério de amor! / Nós somos sinais de unidade na fé, na verdade, convosco, ó Senhor.
3 - No longo caminho que temos, o pão que comemos nos sustentará.
/ É Cristo o pão repartido, que o povo sofrido vem alimentar.
4 - Há gente morrendo de fome, sofrendo e sem nome, sem terra e
sem lar. / Não é a vontade de Deus, pois Jesus, Filho seu, quis por nós se doar.
5 - Queremos servir a Igreja na plena certeza de nossa missão, / vivendo, na Eucaristia, o pão da alegria e da libertação.

495 (Tom: F) Letra e Música: Pe. José Freitas Campos (Cantai - CD 14)
Reunidos ao redor de tua mesa, / aqui vimos e pedimos, ó Senhor: / dá-nos sempre deste pão! / A palavra e comunhão, / o pão nosso, Pão da Vida, pão do amor! (2x)
1 - O pão da palavra, repartido / pela Igreja missionária em ação, /
cinco séculos em nosso continente: / muitas raças, um só povo, o mesmo pão.
2 - O pão da Eucaristia é teu Corpo, / é teu Sangue derramado em oblação: / alimento de um povo peregrino, / sempre em marcha para a nova promissão.
3 - O pão das conquistas do trabalho: / com teu gesto, solidário, nossas mãos / anunciam a chegada do teu Reino, / já presente quando somos mais irmãos.
4 - Guiados pela estrela do Natal, / o Evangelho nos aponta a conversão; / sob o olhar materno de Nossa Senhora, / revigora tua Igreja em missão.
5 - No sangue dos mártires, banhada, / nossa terra testemunha tua
cruz. / Com os mártires de ontem e de hoje, / caminhamos na estrada de Jesus.

496 (Tom: G) Letra e Música: Pe. José Weber
Para que todos sejam um, / como sou um em ti, ó Pai!
1 - Guarda em teu nome, Pai Santo, / aqueles que Tu me deste.
2 - Rogo também por aqueles / que, por tua Palavra, hão de crer.
3 - Que sejam unidos em mim / e mostrem que Tu me enviaste.
4 - O mundo há de crer em teu Verbo, / vendo a sua união.
5 - Eu estarei sempre neles, / como estás sempre em mim.
6 - Para que o mundo conheça / que Tu por amor me enviaste.
7 - Dei-lhe a glória que é tua, / a glória que Tu me deste.
8 - Quero, meu Pai, que estejam / onde estou sempre contigo.

497 (Tom: E) Letra e Música: Pe. Élio Athayde (Cantai - CD 14)
Vinde, irmãos, Deus nos convidou / para a festa que Ele preparou. / Deus nos chama, ordem do Senhor: / vinde todos à Festa do Amor!
1 - Um rei preparou uma ceia / e convidou seus amigos pra cear. /
Mas cada qual se julgou por escusado / e nenhum dos convidados
aceitou participar. / Então, o rei deu a chance aos aleijados, / pobres, marginalizados, que chamou para jantar.
2 - Jesus é o dono da festa, / e a festa é a nossa comunhão. / Os convidados somos nós que comungamos dia a dia / os desenganos e alegrias dos irmãos. / Se Deus nos chama, é preciso estar presentes, / assumir bem conscientes nossa vida de cristãos.
3 - São muitos que são convidados, / mas escolhidos bem poucos
serão. / O egoísmo é na vida da gente / traiçoeira serpente e a pior tentação. / Quem se acomoda e nunca pensa no outro, / sofre mais que um louco, numa triste solidão.
4 - Você foi também convidado / a celebrar esta Ceia do Senhor. / Então, amigo, venha bem preparado, / coração desarmado, coração sem rancor. / Feliz quem traz no coração a bondade, / quem não tem falsidade, acredita no amor.

498 (Tom: A) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti
1 - O meu Reino tem muito a dizer: / não se faz como quem procurou
/ aumentar os celeiros bem mais e sorriu! / Insensato, que vale tais bens / se hoje mesmo terás o teu fim? / Que tesouros tu tens pra levar além?
Sim, Senhor, nossas mãos / vão plantar o teu Reino! / O teu pão
vai nos dar / teu vigor, tua paz!
2 - O meu Reino se faz bem assim: / se uma ceia quiseres propor,
/ não convides amigos, irmãos e outros mais. / Sai à rua, à procura de quem / não puder recompensa te dar, / que o teu gesto lembrado será por Deus!
3 - O meu Reino – quem vai compreender? – / Não se perde na pressa que tem / sacerdote e levita que vão sem cuidar. / Mas se mostra em quem não se contém, / se aproxima e procura o melhor / para o irmão agredido que viu no chão!
4 - O meu Reino não pode aceitar / quem se julga maior que os demais / por cumprir os preceitos da lei, um a um. / A humildade de quem vai além / e se empenha e procura o perdão, / é o terreno onde pode brotar a paz!
5 - O meu Reino é um apelo que vem / transformar as razões de viver / que te faz desatar tantos nós que ainda tens. / Dizer sim é saberes repor / tudo quanto prejuízo causou, / dar as mãos, repartir, acolher, servir!

499 (Tom: Em) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 11 / CD
O Senhor, minha festa - Paulus)
Com amor eterno eu te amei. / Dei a minha vida por amor. / Agora, vai, também, ama o teu irmão. (2x)
1 - Já não somos servos, mas os teus amigos. / À tua mesa nos sentamos / pra comermos deste pão.
2 - Que nossa amizade se estenda a todos, / pois o Cristo nos ensina / que o amor é dom total.
3 - Terá recompensa até um copo d’água. / O amor, que é verdadeiro,
/ se traduz em gesto e vida.
4 - Cristo, partilhando sua graça e vida, / quer que unidos a vivamos
/ também entre os irmãos.
5 - Se permanecermos no amor de Cristo, / viveremos sua mensagem
/ de esperança e alegria.
6 - O pão da alegria nos alimentou. / Que ele seja nossa força / e nos sustente na caminhada.

500 (Tom: Em) Letra e Música: Pe. José Weber (CD Liturgia XIII - Paulus / CD
Campanha da Fraternidade/Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
Eu vim para que todos tenham vida, / que todos tenham vida plenamente.
1 - Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor; / reconstrói
a tua vida em comunhão com teu irmão. / Onde está o teu irmão, Eu estou presente nele.
2 - “Eu passei fazendo o bem, Eu curei todos os males”, / hoje és minha presença junto a todo sofredor. / Onde sofre o teu irmão, Eu estou sofrendo nele.
3 - Quem comer o Pão da Vida viverá eternamente; / tenho pena deste povo que não tem o que comer. / Onde está um irmão com fome, Eu estou com fome nele.
4 - “Entreguei a minha vida pela salvação de todos”, / reconstrói, protege a vida de indefesos e inocentes. / Onde morre o teu irmão, Eu estou morrendo nele.
5 - “Vim buscar e vim salvar o que estava já perdido”, / busca, salva
e reconduze a quem perdeu toda esperança. / Onde salvas teu irmão, tu me estás salvando nele.
6 - Não apago o fogo tênue do pavio que ainda fumega; / reconstrói
e reanima toda vida que se apaga. / Onde vive o teu irmão, Eu estou vivendo nele.
7 - “Salvará a sua vida quem a perde, quem a doa”. / Eu não deixo
perecer nenhum daqueles que são meus. / Onde salvas teu irmão, tu me estás salvando nele.
8 - “Da ovelha desgarrada Eu me fiz o Bom Pastor”; / reconduze, acolhe e guia a quem de mim se extraviou. / Onde acolhes teu irmão, tu me acolhes, também, nele.
9 - “Este pão, meu corpo e vida para a salvação do mundo”, / é presença e alimento nesta santa comunhão. / Onde está o teu irmão, Eu estou, também, com ele.

501 (Tom: C) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 14 / CD
Liturgia VI - Paulus / CD Campanha da Fraternidade/Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
1 - É bom estarmos juntos / à mesa do Senhor / e, unidos na alegria,
/ partir o pão do amor.
Na vida caminha / quem come deste pão. / Não anda sozinho / quem vive em comunhão.
2 - Embora sejam muitos, / é um o nosso Deus. / Com ele vamos, juntos, / seguindo os passos seus.
3 - Formamos a Igreja, / o Corpo do Senhor; / que em nós o mundo
veja / a luz do seu amor.
4 - Foi Deus quem deu outrora / ao povo o pão do céu, / porém nos
dá agora / o próprio Filho seu.
5 - Será bem mais profundo / o encontro, a comunhão, / se formos
para o mundo / sinal de salvação.
6 - A nossa Eucaristia / ajude a sustentar / quem quer, no dia a dia,
/ o amor testemunhar.

502 (Tom: A) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 14 / CD O
Senhor, minha festa - Paulus)
Amém! Eu aceito teu Corpo, Senhor! / Amém! Eu assumo ser pão de amor!
1 - Famintos do pão da igualdade, / na mesa da fraternidade, / Tu és nossa vida e verdade; / sustenta os que em ti são irmãos!
2 - Sedentos de paz e alegria, / buscamos na Eucaristia / a fonte que ao mundo anuncia: / só Deus pode o homem saciar!
3 - Mendigos de amor e de graça, / às mãos estendidas Tu passas
/ e esperas que em nós também nasça / o gesto de dar e servir!
4 - Tão fracos, em ti somos fortes, / vencemos o mal e a morte! / Em ti, o repouso e a sorte / de quem se alimenta da fé!
5 - Assim como o pai de família, / os dons entre os filhos partilha, /
Tu fazes por nós maravilhas: / é eterno e fiel teu amor!
6 - Feliz de quem foi convidado / e, atento, ouviu teu chamado! / Na terra será saciado / e à mesa do céu sentará!

503 (Tom: A) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 13 / CD
Cantos Celebrativos - Paulinas)
1 - Exultando, vamos todos / à mesa do Senhor, / que reúne sua família / para celebrar o amor.
É o Pai que nos convida / para a ceia do amor / e nos dá seu próprio Filho, Cristo nosso Salvador. (bis)
2 - Todos nos alimentamos / deste pão que vem do céu, / ele vai ser nossa força no caminho para o Pai.
3 - Quem de Cristo se alimenta / jamais vacilará, / os seus passos serão firmes, / no amor caminhará.
4 - Cristo a nós hoje se une / pela santa comunhão / para que depois
vivamos / esse amor entre os irmãos.
5 - Ó Senhor, que nossa vida / com a vida alimentais, / dai-nos sempre vossa graça, / vosso amor e vossa paz.

504 (Tom: Dm) Letra e Música: José Raimundo Galvão (Cantai - CD 14)
Eis o Pão da Vida, eis o Pão dos Céus, / que alimenta o homem em marcha para Deus.
1 - Um grande convite o Senhor nos fez / e a Igreja o repete a toda
vez. / Feliz quem ouve e alegre vem / trazendo consigo o amor que tem.
2 - Um dia por nós o Senhor se deu, / do sangue da cruz o amor nasceu. / E ainda hoje Ele dá vigor / aos pobres, aos fracos, ao pecador.
3 - Há várias maneiras de o receber, / efeitos diversos pode conter. /
Não nos suceda comer em vão / aquilo que é fonte de salvação.
4 - Quem come este pão sempre viverá, / pois Deus nos convida a
ressuscitar. / Oh! vinde todos, comei também / o pão que encerra o sumo bem.
5 - Se o homem deseja viver feliz, / não deixe de ouvir o que a Igreja diz: / Procure sempre se aproximar / do Deus feito pão para nos salvar.

505 (Tom: Bm) Letra e Música: Pe. José Weber (Cantai - CD 14)
Eis meu Corpo por vós doado, / eis meu Sangue por vós derramado. / É o sangue da Nova Aliança, / fonte viva de eterna esperança. (2x)
1 - Eu sou o novo pão vivo, / o pão que desce dos céus! / Quem deste pão se alimenta / possui a vida de Deus.
2 - Quem crê em mim não tem fome, / nem sede em seu coração.
/ Em mim terá plenitude, / luz, vida e salvação.
3 - Quem crê em mim tem a vida / por toda a eternidade! / O pão que Eu dou sou Eu mesmo, / Caminho, Vida e Verdade.
4 - A minha carne é comida, / penhor da Ressurreição. / E o meu sangue é bebida / das fontes da salvação.
5 - Este é o novo alimento / do povo que congreguei / pra viver o mandamento / de amar como Eu vos amei.

506 (Tom: C) Letra e Música: Casimiro Vidal Nogueira (Cantai - CD 14 / CD Acolhendo a Palavra - Paulus)
1 - Todo aquele que comer do meu Corpo, que é doado, / todo aquele que beber do meu Sangue derramado / e crê nas minhas palavras que são plenas de vida, / nunca mais sentirá fome e nem sede em sua lida.
Eis que sou o Pão da Vida, / eis que sou o Pão do Céu; / faço-me
vossa comida, / Eu sou mais que leite e mel.
2 - O meu Corpo e meu Sangue são sublimes alimentos, / do fraco
indigente é vigor, do faminto é o sustento. / Do aflito é consolo, do enfermo é a unção, / do pequeno e excluído, rocha viva e proteção.
3 - Eu sou o caminho, a vida, água viva e a verdade. / Sou a paz e
a luz do mundo, sou a própria liberdade. / Sou a Palavra do Pai, que entre vós habitou, / para que vós habiteis na Trindade onde estou.
4 - Eu sou a Palavra viva que sai da boca de Deus. / Sou a lâmpada
para guiar vossos passos, irmãos meus. / Sou o rio, Eu sou a ponte, sou a brisa que afaga, / sou a água, sou a fonte, fogo que não se apaga.

507 (Tom: Cm) Letra e Música: Pe. José Weber (Cantai - CD 14 / CD Cantos de
abertura e comunhão - Paulus)
O Pão da Vida, a comunhão, / nos une a Cristo e aos irmãos. / E
nos ensina a abrir as mãos / para partir, repartir o pão. (2x)
1 - Lá no deserto, a multidão / com fome segue o bom Pastor. / Com
sede busca a Nova Palavra: / Jesus tem pena e reparte o pão.
2 - Na Páscoa Nova da Nova Lei, / quando amou-nos até o fim, / partiu o pão, disse: “Isto é meu Corpo / por vós doado: tomai, comei!”
3 - Se neste pão, nesta comunhão, / Jesus por nós dá a própria vida, / vamos também repartir os dons, / doar a vida por nosso irmão.
4 - Onde houver fome, reparte o pão, / e tuas trevas hão de ser luz;
/ encontrarás Cristo no irmão, / serás bendito do Eterno Pai.
5 - “Não é feliz quem não sabe dar”, / quem não aprende a lição do
altar: / de abrir a mão e o coração / para doar-se no próprio dar.
6 - “Abri, Senhor, estas minhas mãos, / que, para tudo guardar, se fecham!” / Abri minha’alma, meu coração / para doar-me no eterno dom.

508 (Tom: Am) Letra e Música: João Bento de Souza (Cantai - CD 11)
O pão sagrado que agora recebemos, / vai nos dar força para a gente caminhar / no compromisso de formar comunidade / onde
o amor e a justiça vão reinar.
1 - Foi Jesus Cristo que se fez nosso alimento / na comunhão, o sacramento do amor. / Nós vamos juntos sustentar a nossa vida / na caminhada para o Reino do Senhor.
2 - Foi Jesus Cristo que aqui nos reuniu, / todo este povo escutou a sua voz. / Com sua graça Ele vai nos ajudar / a combater o mal que existe entre nós.
3 - Foi Jesus Cristo que mostrou o bom caminho, / falou a todos sem temer ser torturado. / Deu sua vida com amor e doação; / pra nos salvar, Ele morreu crucificado.
4 - Foi Jesus Cristo quem falou aos seus amigos: / vão pelo mundo
ensinar o que Eu falei; / vão praticando, vão mostrando com a vida / o mandamento do amor, a Nova Lei.
5 - Foi Jesus Cristo que nos deu esta missão: / formar Igreja e lutar
contra o pecado. / Não há razão para viver no comodismo; / pelo batismo cada um foi convocado.

509 (Tom: Bb) Letra: Ir. Mª Luíza Ricciardi / Música: Pe. Ronoaldo Pelaquim e
Pe. Lucas de Paula Almeida (Cantai - CD 2 / CD Campanha da Fraternidade/ Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
Ó Trindade, vos louvamos, / vos louvamos pela vossa comunhão! / Que esta mesa favoreça, / favoreça nossa comunicação!
1 - Contra toda tentação da ganância e do poder, / nossas bocas gritem juntas / a Palavra do viver! (2x)
2 - Na montanha, com Jesus, no encontro com o Pai, / recebemos
a mensagem: “Ide ao mundo e o transformai!”(2x)
3 - Deus nos fala na história e nos chama à conversão: / vamos ser
palavras vivas proclamando a salvação! (2x)
4 - Vamos juntos festejar cada volta de um irmão / e o amor que nos acolhe, restaurando a comunhão! (2x)
5 - Comunica quem transmite a verdade e a paz, / quem semeia a
esperança e o perdão que nos refaz. (2x)

510 (Tom: C) Letra e Música: Ir. Cecília Vaz Castilho (Cantai - CD 11 / CD Diante
de ti - Paulinas)
1 - Se calarem a voz dos profetas, / as pedras falarão. / Se fecharem
uns poucos caminhos, / mil trilhas nascerão. / Muito tempo não dura a verdade / nestas margens estreitas demais: / Deus criou o infinito pra vida ser sempre mais.
É Jesus este pão de igualdade: / viemos pra comungar / com a luta sofrida do povo / que quer ter voz, ter vez, lugar. / Comungar
é tornar-se um perigo: / viemos pra incomodar. / Com a fé e união, / nossos passos, um dia, vão chegar!
2 - O Espírito é vento incessante, / que nada há de prender. / Ele sopra até no absurdo / que a gente não quer ver. / Muito tempo...
3 - No banquete da festa de uns poucos, / só rico se sentou. / Nosso
Deus fica ao lado dos pobres /colhendo o que sobrou. / Muito tempo...
4 - O poder tem raízes na areia, / o tempo o faz cair. / União é a rocha que o povo / usou pra construir. / Muito tempo...
5 - Toda luta verá o seu dia / nascer da escuridão. /Ensaiamos a festa e a alegria / fazendo comunhão. / Muito tempo...

511 (Tom: G) Letra: Pe. Lucas de Paula Almeida / Música: Pe. Lauro Palú (Cantai - CD 5)
1 - Na comunhão recebemos do Pai / o Corpo e Sangue de Cristo
Jesus, / força e sustento da vida de amor, / vida que brota da cruz. / Juntos, na mesma certeza feliz, / vamos em busca do Cristo e do irmão. / Deus nos chamou ao amor e nos dá / gosto por nossa missão.
Em procissão, povo que crê, / juntos na fé, povo que vê. / Na comunhão, vamos buscar / graça, perdão e luz / do Corpo de Jesus; / fé, esperança e amor / do Sangue do Senhor!
2 - A comunhão alimenta a fé, / faz ver o Cristo no irmão a sofrer, / nutre a esperança no Reino de Deus, / dá-nos razão de viver. / A comunhão nos inspira o amor / e nos ensina o ideal de servir, / junto com Cristo nos faz trabalhar, / nos dedicar sem medir.
3 - Quando comungo, se acende a esperança / do irmão que é pobre
e que sofre na vida. / O Corpo e Sangue de Cristo sustentam / a caridade exercida. / Cristo repete ainda hoje o chamado / e quer os jovens, conscientes, seguindo / como os apóstolos, tudo deixando / e o coração repartindo.

512 (Tom: G) DR
Receber a comunhão / com este povo sofrido / é fazer a aliança
/ com a causa do oprimido. (2x)
1 - Celebrando a Eucaristia, / a vida a gente consome; / ao lutar pela
justiça, / acabando com a fome, / pra que o outro seja gente, /
pra que ele tenha nome.
2 - Celebrar a Eucaristia com famintos e humilhados, / com o pobre
lavrador, / sem ter nada no roçado, / é estar em comunhão / com Jesus crucificado.
3 - Celebrar a Eucaristia / é também ser torturado, / é ser perseguido
e preso, / é ser marginalizado, / ser entregue aos tribunais / numa cruz pra ser pregado.
4 - Vai também ao nosso lado, / nesta santa Eucaristia, / a companheira de luta, / a Santa Virgem Maria. / Guardará no coração / de seu povo a agonia.

513 (Tom: D) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 14 / CD O
Senhor, minha festa - Paulus)
Somos felizes, os convidados / a celebrar esta Ceia do Senhor. /
Na alegria nós viveremos: / Deus se fez pão por amor.
1 - Quando de Deus me aproximo, / meu coração se alegra. / Ele faz bem à minh’alma; / junto de Deus sinto paz.
2 - És Tu, Senhor, a alegria / do povo que te procura; / és a razão da esperança / de quem confia em ti.
3 - Um dia, em tua casa, / toda uma vida ilumina; / tua morada é segura, / nela queremos ficar.
4 - Feliz quem mora contigo, / nunca se encontra sozinho; / sabe escolher o caminho / do bem, do amor e da paz.
5 - Conserva em nós tua graça, / dá-nos viver teu amor / para que aos homens levemos / tua mensagem, Senhor.

514 (Tom: F) Letra e Música: Pe. José Freitas Campos (Cantai - CD 14)
Sempre tem lugar nesta mesa / pra quem ama e pede perdão. /
Só comunga nesta ceia / quem comunga na vida do irmão. (2x)
1 - Eu tive fome, e não me deste de comer; / Eu tive sede, e não me deste de beber.
2 - Fui peregrino, e não me acolheste; / injuriado, e não me defendeste.
3 - Fui pequenino e quiseste me pisar; / da ignorância não quiseste
me tirar.
4 - Eu nasci livre e quis viver com liberdade; / fui perseguido só por
causa da verdade.
5 - Pra ser feliz, Eu quis amar sem distinção; / só por orgulho tu não
foste meu irmão.
6 - Eu vivi pobre, mas lutei para ser gente; / fui sem direito de levar
vida decente.

515 (Tom: D) Letra e Música: José Raimundo Galvão (CD Festas Litúrgicas II - Paulus)
1 - No deserto da vida, quando a sede me vem, / quando clamo bem alto e não vejo ninguém, / eu me lembro de ti e me sinto feliz, / pois escuto bem perto tua voz que me diz:
Quem tiver sede venha a mim e beba. / E do seio de quem crê em mim / hão de brotar torrentes de água viva / jorrando sempre sem jamais ter fim. (bis)
2 - Muitas vezes a dor não me deixa dizer / quanta sede de amor trago dentro do ser; / mas Tu ouves a voz do silêncio também / e, no amor, me conduzes à fonte do bem.
3 - O teu dom sem reservas eu vou receber, / este pão que conserva
tua vida em meu ser. / Como outrora fizeste pela Samaria, / a tua presença me traz alegria.
4 - Eu quisera viver ao teu lado, Senhor, / transformando minha vida
em fonte de amor / onde todos que buscam, tentando encontrar / em meu testemunho, te ouvissem falar.

516 (Tom: G) Letra e Música: Frei Gotzon Aulestia (Cantai - CD 4 / CD Venham
para a Ceia do Senhor - Paulus)
1 - Não existe amor sem entrega, / não existe amor sem a dor; / é a herança que Cristo nos lega: / Sem amor nada tem valor.
O Senhor nos convida à mesa, / a comer juntos do mesmo pão, / da Palavra, da fé, da esperança / e repartir com o nosso irmão.
2 - É feliz quem perdoa as ofensas, / quando dá nunca, olha o dom; / nem espera ganhar recompensa: / Sem amor nada tem valor.
3 - Quando ao triste arrancaste um sorriso, / teve fome e lhe deste o pão; / é uma dor que tiraste do Cristo: / Sem amor nada tem valor.
4 - Poderás falar línguas estranhas, / poderás ganhar mundo sem fim; / dominar junto a ti muita gente: / Sem amor nada tem valor.
5 - Quando vês o irmão que te chama / e abre a mão esperando um favor, / não pretendas fugir, tem presente: / Sem amor nada tem valor.

517 (Tom: D) Letra e Música: Pe. Vigne (CD Cantos de abertura e comunhão - Paulus)
Vós sois o caminho, a verdade e a vida, / o pão da alegria descido do céu!
1 - Nós somos caminheiros / que marcham para os céus. / Jesus é o caminho / que nos conduz a Deus.
2 - Da noite da mentira, / das trevas para a luz, / busquemos a verdade, verdade é só Jesus.
3 - Pecar é não ter vida, / pecar é não ter luz. / Tem vida só quem segue / os passos de Jesus.
4 - Jesus, verdade e vida, / caminho que conduz / a Igreja peregrina
/ que marcha para a luz.

518 (Tom: C) Letra: Pe. Jocy Rodrigues / Música: Frei Joel Postma (Cantai - CD
4 / CD Liturgia VII - Paulus)
Um rei fez um grande banquete, / o povo já foi convidado, / a mesa já está preparada, / já foi o Cordeiro imolado.
1 - Eu me sinto feliz perto de Deus / em achar um abrigo no Senhor.
2 - Eu agora estarei sempre com ele, / pois me veio trazendo pela mão.
3 - Vosso plano de amor me vai guiando / para chegar finalmente em vossa glória.
4 - Só por vós me interesso lá no céu. / Se vos tenho, que me importa
a terra inteira?
5 - Os desejos do mundo nada valem, / eu me firmo na pedra, que
é meu Deus.
6 - Quem se afasta de vós nada consegue, / quem se alegra sem vós não é feliz.
7 - Para mim, ser feliz é ter meu Deus, / é conservá-lo sempre, sempre em mim.
8 - Vou cantar a bondade do Senhor / pelas ruas e praças da cidade.

519 (Tom: D) Letra e Música: Frei Fabreti
1 - Vim de longe, de outras terras, / pelo Espírito enviado, / pelo Cristo separado, / proclamar a salvação.
Cristo-Pão vem me sustentar. / Sua Palavra é vida para a vida iluminar.
2 - Mas não lembro os sofrimentos, / os açoites que ganhei, / os insultos que levei / por amor ao meu irmão.
3 - Esquecido do passado, / vivo em Cristo meu presente / e me lanço para frente / para o Reino construir.
4 - Neste peito meu de barro, / para o homem desvalido, / trago o “Deus desconhecido” / e a esperança do porvir.
5 - Para o fraco sem defesa, / para o pobre injustiçado / e o inocente
acorrentado, / anuncio libertação.
6 - Pelo mundo sem fronteiras, / continuo minha viagem. / Sou de Cristo a nova imagem, / sou de Cristo o coração.
7 - Vou correndo até que o Reino / seja a todos proclamado; / e o homem, libertado, / reconheça o Deus-amor.

520 (Tom: C) Letra: Ir. Cecília Domezi / Música: Pedro Batista de Moraes (Cantai - CD 14)
1 - Sempre tem mais um lugar na mesa / pra quem sabe repartir o
pão. / Do que temos em nossa pobreza, / o amor faz multiplicação.
Felizes os pobres na mesa do Rei! / Meu Corpo e meu Sangue tomai e comei! / Eu sou o Pão vivo, o amor é a lei. (2x)
2 - Comer juntos no jantar de Deus / é mudar a triste situação. / É querer que a terra seja um céu / onde a gente vive como irmão.
3 - Quando a gente é mesmo companheiro / no caminho de Nosso
Senhor, / comunhão é gesto verdadeiro, / que entrega a vida por amor.
4 - Pra bater o duro chão da estrada, / nossa força não pode minguar.
/ O alimento desta caminhada / é o próprio Cristo neste altar.

521 (Tom: C) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti
1 - Coração compadecido, / o meu Pai se viu movido: / “Vou tirarvos
deste Egito, / sou libertação”.
Aprendei os meus caminhos, / não vos deixo aqui sozinhos, / permaneço em vosso meio, / sou o vosso pão!
2 - Nos caminhos do deserto, / o meu Pai foi braço certo, / sustentou
os vossos passos, / vos deu nova lei.
3 - Toda vez que a prepotência / decretou vossa falência, / o meu Pai marcou presença, / vos reconduziu.
4 - Quando o tempo se fez pronto, / o meu Pai: “Contigo conto. / Vai curar toda aflição, / meu Reino semear”.
5 - Eu vos dou nova medida: / Não a morte, mas a vida! / Implantai
minha justiça, / cultivai a paz!
6 - Quando à cruz me condenaram, / nem de longe imaginaram / que o meu Pai, / o Deus da vida, se mantém fiel.
7 - Crer em mim é todo o dia, / meu Espírito vos guia! / Ser fermento
do meu Reino / como quer meu Pai.

522 (Tom: D) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti (CD Ação de Graças - Paulinas)
1 - Vejam, Eu andei pelas vilas, / apontei as saídas / como o Pai me
pediu. / Portas, Eu cheguei para abri-las, / Eu curei as feridas como nunca se viu.
Por onde formos também nós, / que brilhe a tua luz! / Fala, Senhor, na nossa voz, em nossa vida. / Nosso caminho, então, conduz, / queremos ser assim! / Que o Pão da Vida nos revigore no nosso sim !
2 - Vejam, fiz de novo a leitura / das raízes da vida / que meu Pai vê
melhor. / Luzes acendi com brandura, / para a ovelha perdida / não medi meu suor.
3 - Vejam, procurei bem aqueles / que ninguém procurava / e falei
de meu Pai. / Pobres, a esperança que é deles, / Eu não quis ver escrava / de um poder que retrai.
4 - Vejam, semeei consciência / nos caminhos do povo, / pois o Pai
quer assim. / Tramas, enfrentei prepotência / dos que temem o novo / qual perigo sem fim.
5 - Vejam, Eu quebrei as algemas, / levantei os caídos, / do meu Pai fui as mãos. / Laços, recusei os esquemas, / Eu não quero oprimidos, / quero um povo de irmãos.
6 - Vejam, procurei ser bem claro: / o meu Reino é diverso, / não precisa de rei. / Tronos, outro jeito mais raro / de juntar o disperso, / o meu Pai tem por lei.
7 - Vejam, do meu Pai a vontade / Eu cumpri passo a passo. / Foi pra isso que Eu vim. / Dores, enfrentei a maldade, / mesmo frente ao fracasso, / Eu mantive o meu SIM!
8 - Vejam, fui além das fronteiras, / espalhei Boa-Nova: / Todos, filhos de Deus. / Vida, não se deixe nas beiras / quem quiser maior prova: / venha ser um dos meus!

523 (Tom: D) Letra: Pe. Almir Gonçalves dos Reis / Música: José Edson R. de
Freitas (Cantai - CD 13 / CD Campanha da Fraternidade/Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
Na mesa do lar, a família reparte seu pão. / Na mesa do altar, / renovamos fraterna união. (2x)
1 - No deserto saciaste, ó Senhor, / o teu povo com maná. / Também,
hoje, o teu povo passa fome / e procura o teu altar: / são famílias exploradas por um mundo / que não sabe partilhar.
2 - E na terra prometida, ó Senhor, / o teu povo teve um lar. / Novamente, este povo peregrino / tua casa vem buscar: / são famílias ao relento, sem ter teto / e nem chão onde plantar.
3 - No exílio sustentaste, ó Senhor, / o teu povo na esperança. / Ainda hoje há profetas animando / a coragem no lutar: / das famílias que, embora oprimidas, / ainda sabem te louvar.
4 - Novo rumo concedeste, ó Senhor, / ao teu povo com Jesus. / O caminho, a verdade e a vida / tua gente vem buscar: / são famílias excluídas e migrantes, / neste mundo, a caminhar.
5 - Aos discípulos Tu deste, ó Senhor, / teu Espírito de amor. / Este povo que precisa de tua força / sempre volta ao teu altar: / são famílias que desejam a chegada / do teu Reino apressar.

524 (Tom: C) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti (Cantai - CD 4 / CD Ação de Graças - Paulinas)
1 - Por esta paz que a juventude tanto quer, / pela alegria que as crianças têm à mão, / Eu rendo graças ao meu Pai, que se compraz / e assim me pede para abrir meu coração.
Tomai, comei! Tomai, bebei meu Corpo e Sangue que vos dou. / O Pão da Vida sou Eu mesmo em refeição! / Pai de bondade, Deus do amor e do universo, sustentai / os que se doam por um
mundo irmão!
2 - Pelos que firmam na justiça os próprios pés, / pelo suor dos que
mais lutam pelo pão, / Eu rendo graças ao meu Pai, o Deus fiel, / que assim me pede para abrir meu coração.
3 - Pelos que sabem enxergar um pouco além / e assim repartem a
esperança com razão, / Eu rendo graças ao meu Pai, que tudo vê / e assim me pede para abrir meu coração.
4 - Pelos que choram, mas não perdem sua fé, / pelos humildes que praticam o perdão, / Eu rendo graças ao meu Pai, que vem nutrir / e assim me pede para abrir meu coração.
5 - Pelos pequenos que só sabem confiar, / pelos que sabem dizer
sim e dizer não, / Eu rendo graças, que o meu Pai tudo sustém / e assim me pede para abrir meu coração.
6 - Por todo aquele que ainda sabe agradecer, / e por quem ama sem pensar em condição, / Eu rendo graças ao meu Pai, o  Deusamor, / que assim me pede para abrir meu coração.
7 - Por minha vida, por meu povo, pelos meus, / Eu rendo graças, que o meu Pai estende as mãos, / tudo sustenta, e nos renova, e dá vigor, / e assim me pede para abrir meu coração.

525 (Tom: C) Letra e Música: Pe. José Cândido da Silva (Cantai - CD 13)
1 - É comunhão, é união, / é amizade, fraternidade. / Vamos cantar,
vamos louvar / o amor de Cristo vivo entre nós.
Vamos, braços abertos, junto com Jesus Cristo, / viver esta vida,
dom a partilhar. / Não, ninguém se omita, temos de alegrar / a todo irmão que procura a paz, a paz no seu coração.
2 - Sempre haverá, junto a um altar, / gente a pedir e a agradecer; / gente a esperar e a celebrar / o amor de Cristo vivo entre nós.
3 - Celebração é verdadeira / quando se quer ser comunhão, / quando lutamos e acreditamos que o amor de Cristo vive entre nós.
4 - Quando há encontro, sempre há desejo / de se libertar da solidão.
/ Aqui, no altar, somos irmãos, / pois Jesus Cristo vive entre nós.
5 - Eu sou feliz, tu és feliz, / somos felizes, é nosso cantar. / Sempre
que posso, aqui vou voltar, / pois Jesus Cristo vive entre nós.

526 (Tom: F) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti (Cantai - CD 2)
1 - Cantar a beleza da vida, / presente do amor sem igual: / missão
do teu povo escolhido, / Senhor, vem livrar-nos do mal!
Vem dar-nos teu Filho, Senhor, / sustento no pão e no vinho, / e a
força do Espírito Santo, / unindo o teu povo a caminho.
2 - Falar do teu Filho às nações, / vivendo como Ele viveu: / missão
do teu povo escolhido, / Senhor, vem cuidar do que é teu!
3 - Viver o perdão sem medida, / servir sem jamais condenar: / missão do teu povo escolhido, / Senhor, vem conosco ficar!
4 - Erguer os que estão humilhados, / doar-se aos pequenos, aos pobres: / missão do teu povo escolhido, / Senhor, nossas forças redobre!
5 - Buscar a verdade, a justiça, / nas trevas brilhar como a luz: / missão do teu povo escolhido, / Senhor, nossos passos conduz!
6 - Andar os caminhos do mundo, / plantando teu Reino de paz: / missão do teu povo escolhido, / Senhor, nossos passos refaz!
7 - Fazer deste mundo um só povo / fraterno a serviço da vida: / missão do teu povo escolhido, / Senhor, vem nutrir nossa lida!

527 (Tom: D) Letra e Música: Zé Vicente (CD Festa dos Pequenos - Paulinas)
1 - A mesa tão grande e vazia de amor e de paz - de paz! / Aonde há
o luxo de alguns alegria não há - jamais! / A mesa da Eucaristia nos quer ensinar - á, á, / que a ordem de Deus, nosso Pai, é o pão partilhar.
Pão em todas as mesas, / da Páscoa a nova certeza: / a festa haverá / e o povo a cantar, aleluia! (2x)
2 - As forças da morte: a injustiça e a ganância de ter - de ter. / Agindo naqueles que impedem ao pobre viver - viver. / Sem terra, trabalho e comida, a vida não há - não há. / Quem deixa assim e não age, a festa não vai celebrar.
3 - Irmãos, companheiros na luta, vamos dar as mãos - as mãos. / Na grande corrente do amor, na feliz comunhão! - irmãos! / Unindo a peleja e a certeza, vamos construir - aqui / na terra o projeto de Deus: /todo o povo a sorrir!
4 - Que em todas as mesas do pobre haja festa de pão - de pão. / E as mesas dos ricos, vazias, sem concentração - de pão! / Busquemos aqui, nesta mesa do Pão redentor - do céu, / a força e a esperança que anima o povo de Deus!
5 - Bendito o Ressuscitado, Jesus vencedor, ô, ô, / no pão partilhado,
a presença Ele nos deixou - deixou! / Bendita é a vida nascida de quem se arriscou, ô, ô, / na luta pra ver triunfar, neste mundo, o amor!

528 (Tom: G) Letra: Maria Luíza Ricciardi / Música: José Edson R. de Freitas (Cantai - CD 14 / CD Campanha da Fraternidade/Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
1 - Mesa pronta, toalha limpa, / flores, luzes e canções. / Nos olhares,
um sorriso, / muita paz nos corações. / É a ceia partilhada / nesta casa de irmãos, / Páscoa sempre renovada, / recriando a comunhão.
És, Senhor, o Deus da vida, / és a festa, és a dança. / No banquete de tua casa, / somos povo da aliança. (2x)
2 - Somos povo em travessia / no deserto a caminhar, / revestidos de esperança, / contra o mal vamos lutar. / Na montanha contemplamos, / na sua glória e esplendor, / Jesus Cristo, nosso Guia, / companheiro sofredor.
3 - Procurando uma fonte, / já cansados de andar, / assentado, junto
ao poço, / aqui vimos te encontrar. / Água viva, te pedimos, / faz brotar no coração. / Renascidos e libertos, / partiremos em missão.

529 (Tom: G) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (Cantai - CD 14)
1 - É na Eucaristia que nós renovamos / nossa vida, nosso compromisso de ser luz e sal de Deus.
Somos na Igreja o sacramento / do Reino celestial de união, de amor, / na vivência plena e total da mesma vida do Senhor.
2 - Não se faz Igreja sem Eucaristia: / força para o nosso testemunho
é o Senhor, o altar, a cruz.
3 - Por Deus consagrados em favor dos homens, / somos enviados
para a todos anunciar a salvação.
4 - Em comunidade, somos para o mundo / o sinal do Reino e dos
valores que aqui constroem o céu.
5 - Para o Pai voltados, como Jesus Cristo, / com o irmão buscamos
a justiça, o amor, o bem, a luz.
6 - Deus se faz encontro, Deus se faz presença / para prolongarmos
o seu Corpo, a sua voz, num sim total.

530 (Tom: F) Letra e Música: Frei Luiz Turra (Cantai - CD 4)
1 - Na mesa sagrada se faz unidade, / no pão que alimenta, que é
o pão do Senhor. / Formamos família na fraternidade: / não há diferença de raça e de cor.
Importa viver, Senhor, / unidos no amor, / na participação, / vivendo em comunhão! (bis)
2 - Enquanto na terra o pão for partido, / o homem nutrido se transformará, / vivendo a esperança num mundo melhor: / com Cristo lutando, o amor vencerá.
3 - Chegar junto à mesa é comprometer-se, / é a Deus converterse
com sinceridade. / O grito dos fracos devemos ouvir / e, em nome de Cristo, amar e servir.
4 - Se participamos da Eucaristia, é grande a alegria / que Deus oferece, / porém não podemos deixar esquecida / a dor, nesta vida, que o pobre padece.
5 - Assim, comungando da única vida, / a morte vencida será nossa
sorte. / Se, unidos, buscarmos a libertação, / teremos com Cristo a ressurreição.

531 (Tom: Em) Letra e Música: Pe. José Weber (CD Liturgia X - Paulus / CD Campanha da Fraternidade/Memória Histórica (1970-2002) - Paulinas)
Prova de amor maior não há / que doar a vida pelo irmão. (bis)
1 - Eis que Eu vos dou o meu novo mandamento: / “Amai-vos uns
aos outros como Eu vos tenho amado”.
2 - Vós sereis os meus amigos se seguirdes meu preceito: / “Amaivos
uns aos outros como Eu vos tenho amado”.
3 - Como o Pai sempre me ama, assim também Eu vos amei: /
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”.
4 - Permanecei em meu amor e segui meu mandamento: / “Amaivos
uns aos outros como Eu vos tenho amado”.
5 - E, chegando a minha Páscoa, vos amei até o fim: / “Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”.
6 - Nisto todos saberão que vós sois os meus discípulos: / “Amaivos
uns aos outros como Eu vos tenho amado”.

532 (Tom: G) Letra: Pe. Lúcio Floro / Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (CD
Envia teu Espírito, Senhor! - Paulus)
1 - Senhor, vem dar-nos sabedoria, / que faz ter tudo como Deus quis. / E assim faremos da Eucaristia / o grande meio de ser feliz.
Dá-nos, Senhor, esses dons, essa luz, / e nós veremos que pão é Jesus.
2 - Dá-nos, Senhor, o entendimento, que tudo ajuda a compreender.
/ Para nós vermos como é alimento / o pão e o vinho que Deus quer ser.
3 - Senhor, vem dar-nos divina ciência, / que, como o Eterno, faz ver sem véus: / “Tu vês por fora, Deus vê a essência, / pensas que é pão, mas é nosso Deus”.
4 - Dá-nos, Senhor, o teu conselho, / que nos faz sábios para guiar.
/ Homem, mulher, jovem e velho / nós guiaremos ao santo altar.
5 - Senhor, vem dar-nos a fortaleza, / a santa força do coração. / Só
quem vencer vai sentar-se à mesa, / para quem luta Deus quer ser pão.
6 - Dá-nos, Senhor, filial piedade, / a doce forma de amar, enfim, / para que amemos quem, na verdade, / aqui amou-nos até o fim.
7 - Dá-nos, enfim, temor sublime / de não amá-los como convém: / O Cristo-Hóstia, que nos redime; / o Pai celeste, que nos quer bem.

533 (Tom: A) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (CD Cantos Celebrativos - Paulinas)
Todo aquele que crê em mim, / um dia ressurgirá / e comigo, então, se assentará / à mesa do banquete de meu Pai.
1 - Aos justos reunidos neste dia / o Cristo, então, dirá: / “Oh! Venham gozar as alegrias / que meu Pai lhes preparou”.
2 - A fome muitas vezes me abateu, / fraqueza Eu senti. / Vocês, dando o pão que era seu, / mais ganharam para si.
3 - E, quando Eu pedi um copo d’água, / me deram com amor, / e mais consolaram minha mágoa / ao me verem sofredor.
4 - Eu lembro que também estive preso: / terrível solidão! / Vocês aliviaram este peso / com a sua compreensão.
5 - O frio me castigava sem piedade, / não tinha o que vestir; / num
gesto de amor e de bondade, / vocês foram me acudir.

534 (Tom: Dm) Letra: D. Carlos A. Navarro / Música: Valdeci Farias (CD Celebrações Especiais, v.2 - Paulus)
Procuro abrigo nos corações, / de porta em porta desejo entrar. / Se alguém me acolhe com gratidão, / faremos juntos a refeição. (2x)
1 - Eu nasci pra caminhar assim, / dia e noite vou até o fim. / O meu
rosto o forte sol queimou, / meu cabelo o orvalho já molhou. / Eu cumpro a ordem do meu coração.
2 - Vou batendo até alguém abrir, / não descanso, o amor me faz seguir. / É feliz quem ouve a minha voz: / e abre a porta, entro bem veloz. / Eu cumpro a ordem do meu coração.
3 - Junto à mesa vou sentar depois / e faremos refeição nós dois. / Sentirá seu coração arder / e esta chama tenho que acender. / Eu cumpro a ordem do meu coração.
4 - Aqui dentro, o amor nos entretém, / e, lá fora, o dia eterno vem. / Finalmente, nós seremos um / e teremos tudo em comum: / Eu cumpro a ordem do meu coração.

535 (Tom: A) Letra: Pe. Lucas de Paula Almeida / Música: Pe. Lauro Palú (Cantai - CD 14 / CD Mestre, onde Estás? - Paulinas)
1 - Na comunhão recebemos / teu Corpo e Sangue, Senhor, / e tua
vida divina, / dons do teu grande amor. / São nossa força na luta, / fazem vencer todo mal / e nos conduzem ao Pai, / glória ao Deus imortal.
Senhor Jesus, Senhor Jesus, / Deus vivo e vencedor. (bis)
2 - Entre as angústias da vida / não cairemos jamais, / pois tua força
nos leva / a confiar sempre mais. / Na comunhão nos deixastes / força e motivo de amor. / Todo caminho da vida / nos traga sempre ao altar.
3 - Ao comungar, caminhamos / para o altar com o irmão; / o teu amor nos atrai, / centro de nossa união. / Em cada esforço que pedes, / vamos sentir tua mão, / vamos sentir que nos dás / força de ressurreição.

536 (Tom: E) Letra e Música: Frei Luiz Carlos Susin (Cantai - CD 4 / CD Jesus
Nosso Irmão - Paulinas)
Eu sou a videira, meu Pai é o agricultor. / Vós sois os ramos, permanecei no meu amor!
1 - Para dar muito fruto, / permanecei no meu amor. / Para dar amor puro, permanecei no meu amor. / Como ramos ao tronco, / permanecei em mim!
2 - Para amar sem medidas, / permanecei no meu amor. / Para dar
vossas vidas, / permanecei no meu amor. / Para ser meus amigos,
/ permanecei em mim!
3 - Para ver o caminho, / permanecei no meu amor. / Para ver a verdade, / permanecei no meu amor. / Para ter sempre vida, / permanecei em mim!
4 - Para ser sal da terra, / permanecei no meu amor. / Para ser luz do mundo, / permanecei no meu amor. / Para ser testemunhas, / permanecei em mim!
5 - Se o mundo odeia, / permanecei no meu amor. / Se a dor vos assalta, / permanecei no meu amor. / Se a morte vos chega, / permanecei em mim!
6 - Se vos dobra a tristeza, / permanecei no meu amor. / Se amargo
é o pranto, / permanecei no meu amor. / Se inquieta a tentação, / permanecei em mim!
7 - Quando a noite é longa, / permanecei no meu amor. / Quando não há estrelas, / permanecei no meu amor. / Se a morte vos chega, / permanecei em mim!
8 - Quando a estrada é difícil, / permanecei no meu amor. / Quando
o passo é impossível, / permanecei no meu amor. / Quando treme a esperança, / permanecei em mim!

537 (Tom: Bm) Letra e Música: Pe. José Cândido da Silva (CD Cantos de  abertura e comunhão - Paulus)
Eu sou o pão que vem do céu! / Quem crer em mim irá viver!
1 - Nós reconhecemos o Senhor partindo o pão, / mistério de amor,
a nossa refeição. (Lc 24,13)
2 - O Senhor Jesus no sacramento nos deixou / memorial da cruz: morte e ressurreição.
3 - Ao povo de Deus, lá no deserto, sem pão, sem lar, / Deus fez cair do céu comida salutar.
4 - Todos se assentarem e, todos comerem até fartar; / glória e louvor a Deus, que vem nos saciar!
5 - Corpo do Senhor é o pão que temos no altar, / e o vinho consagrado é o Sangue do Senhor.
6 - Tão grande mistério celebremos neste altar; / que nossa fé sustente o nosso caminhar.

538 (Tom: C) Letra e Música: José Acácio Santana (CD Viver é Encontrar-se - Paulinas)
1 - Eis o grande sacramento, / que o Senhor nos oferece. / Para ser
nosso alimento, / Deus conosco permanece.
Este encontro nos dá vida, / nos dá força e dá coragem. / Quem comer desta comida / terá forças na viagem.
2 - Transformando o pão e o vinho, / se tornou nosso alimento. / Vai conosco no caminho, / não nos deixa um só momento.
3 - Como outrora no deserto, / o Senhor se faz comida / e nos mostra
o rumo certo / para a Terra Prometida.
4 - Que esta santa Eucaristia, / em que Deus é repartido, / faça o pão de cada dia / ser melhor distribuído.

539 (Tom: G) Letra e Música: Ir. Míria Therezinha Kolling (CD Venham para a
Ceia do Senhor - Paulus)
1 - Quando te domina o cansaço / e já não puderes dar um passo;
/ quando o bem ao mal ceder / e tua vida não quiser / ver um novo amanhecer: / Levanta-te e come! (2x) / Que o caminho é longo! Caminho longo!
Eu sou teu alimento, ó caminheiro! / Eu sou o Pão da Vida verdadeiro! / Te faço caminhar, / vale e monte atravessar, / pela
Eucaristia, / Eucaristia!
2 - Quando te perderes no deserto, / e a morte então sentires perto,
/ sem mais forças pra subir, / sem coragem de assumir / o que Deus de ti pedir: / Levanta-te...
3 - Quando a dor, o medo, a incerteza, / tentam apagar tua chama acesa / e tirar do coração / a alegria e a paixão / de lutar, não ser em vão: / Levanta-te...
4 - Quando não achares o caminho, / triste e abatido, vais sozinho.
/ O olhar sem brilho e luz, / sob o peso de tua cruz, / que a lugar nenhum conduz: / Levanta-te...
5 - Quando a voz do anjo então ouvires / e o coração de Deus sentires / te acordando para o amor, / renovando o teu vigor / água e pão, o bem maior: / Levanta-te...

540 (Tom: G) Letra e Música: Pe. José Freitas Campos (CD Dízimo e Partilha - Paulus)
1 - Ninguém pode calar a voz, / ninguém pode forjar a razão. / Ninguém pode conter de novo / o grito do povo faminto de pão.
Se entre nós / já existe a partilha,/ entremos na fila / do amor comunhão. (bis)
2 - Ó Senhor, tantos braços fechados / poderiam se abrir, dar as
mãos. / Quantos lábios tão mudos, cerrados, / não querem falar,
defender o irmão.
3 - Ó Senhor, tantos trabalhadores / e outros tantos sem ocupação / esperando trabalho e salário, / o pobre operário a viver de ilusão.
4 - Ó meu Deus, há mulheres sofrendo, / há crianças na rua sem pão, / e a Igreja se faz solidária, / na prece diária, convida à ação.
5 - Pais e filhos, família unidas, / sem conflito, sem dor e exclusão. / Se a Palavra do Pai acolhemos, / no lar viveremos a paz e o perdão.
6 - Se em ti tudo é só tristeza / nem mais força tens pra oração, / com as mãos elevadas aos céus / ofertas a Deus todo o teu coração.

541 (Tom: G) Letra e Música: Joel Elói Franz (Cantai - CD 11 / CD A Santíssima
Trindade no Terceiro Milênio - Paulus)
1 - Ao recebermos, Senhor, / tua presença sagrada, / pra confirmar
teu amor, / faz de nós tua morada. / Surge um sincero louvor, / brota a semente plantada, / faz-nos seguir teu caminho, / sempre trilhar tua estrada.
Desamarrem as sandálias e descansem, / este chão é terra santa,
irmãos meus! / Venham, orem, comam, cantem, venham todos /
e renovem a esperança no Senhor.
2 - O Filho de Deus com o Pai / e o Espírito Santo: / nesta Trindade
um só Ser, / que pede a nós sermos santos. / Dá-nos, Jesus, teu poder / de se doar sem medida, / deixa que compreendamos / que este é o sentido da vida.
3 - Ao virmos te receber, / nós te pedimos, ó Cristo: / faze vibrar nosso ser / indo ao encontro ao Pai Santo / sem descuidar dos irmãos, / mil faces da tua face. / Faze que o coração sinta / a força da caridade.

542 (Tom: G) Letra: José Thomaz Filho / Música: Ir. Míria Therezinha Kolling
(Cantai - CD 11 / CD O Amor nos deu a Vida - Paulinas)
1 - Vem comigo à minha mesa, / vem nutrir toda esperança. / Dar as mãos é descobrir / que o meu Pai tudo anima e não cansa!
Sim, eu vou, Senhor da vida, / vou juntar-me aos meus irmãos! /
Vai florir um mundo novo, / semeado por tuas mãos!
2 - Vem comigo à minha mesa, / vem provar toda a alegria / de manter a vigilância. / Há surpresas que a vida nos cria!
3 - Vem comigo à minha mesa / sustentar a persistência, / pois não
basta dizer sim / e depois não tirar consequência!
4 - Vem comigo à minha mesa, / vem, aprende a ser pequeno, / que
o meu Reino é de quem serve. / Mãos à obra! Que fértil terreno!
5 - Vem comigo à minha mesa, / vem buscar força e coragem / de acolher e perdoar, / que o meu Pai sabe ouvir tal linguagem!
6 - Vem comigo à minha mesa, / vem saber de tantas dores. / Põe nas mãos o desafio: / mundo irmão não tem rei nem senhores!
7 - Vem comigo à minha mesa, / vem cumprir minha memória, / vem
juntar-te aos meus irmãos: / vamos lá renovar toda a história!

543 (Tom: G) Letra e Música: Paulão
1 - Na comunhão Jesus se dá no pão, / o Cordeiro imolado é refeição: / nosso alimento de amor e salvação. / Em torno deste altar, somos irmãos.
O Pão da Vida és Tu, Jesus, o pão do céu. / O caminho, a verdade, via de amor. / Dom de Deus, nosso Redentor. (bis)
2 - Toma e come, isto é meu Corpo, / que do trigo se faz pão e refeição. / Na Eucaristia o vinho se torna Sangue, / verdadeira bebida, nossa alegria.

544 (Tom: G) Letra: Pe. Vanildo de Paiva / Música: Pe. José Eugênio Fonseca
(Cantai - CD 11 / CD Venham para a Ceia do Senhor - Paulus)
1 - Na mesa da Eucaristia, o amor se faz doação / a um povo que  vive e partilha, / trabalha e constrói mundo irmão.
Comigo irá cear, o Pão da Vida ter / quem até o fim fiel permanecer! (2x)
2 - Na mesa da Eucaristia, lugar do encontro de iguais, / há um povo que quer a justiça, / que sonha com um mundo de paz.
3 - Na mesa da Eucaristia, divina lição de amar, / há um povo que sofre e caminha / pra vida com alegria gerar.
4 - Na mesa da Eucaristia, a festa fazemos por crer, / que o povo alegre anuncia / que a vida vai a morte vencer.
5 - Na mesa da Eucaristia, não deve haver divisão: / um povo que exclui outro povo, / irmão que abandona outro irmão.
6 - Na mesa da Eucaristia, miséria não pode existir, / pois povo que
aqui se alimenta, / quer pão e amor dividir.
7 - Na mesa da Eucaristia, é Cristo o Deus-comunhão / de um povo
que quer nova terra / e, unido, construir novos céus.

545 (Tom: G) Letra: D. Carlos A. Navarro / Música: Valdeci Farias
Tua Igreja é um Corpo, cada membro é diferente. / E há no Corpo,
certamente, coração, ó meu Senhor. / Dele nasce a caridade, dom maior, mais importante. / Nele, enfim, achei radiante minha vocação: o amor.
1 - Que loucura não fizeste / vindo ao mundo nos salvar! / E, depois
que Tu morreste, / ficas vivo neste altar.
2 - Os teus santos compreenderam / teu amor sem dimensão / e loucuras cometeram / em sua própria vocação.
3 - Sou pequeno, igual criança, / cheio de limitações; / mas é grande
a esperança: / sinto muitas vocações.
4 - Quero ser um missionário / até quando o sol der luz; / dá-me por itinerário toda a terra, / ó Jesus.
5 - O martírio, eis meu sonho: / dar-te o Sangue de uma vez; / a mil
mortes me disponho: / sofrerei com intrepidez.
6 - Tantas vocações sentindo, / que martírio, meu Senhor! / Alegreime
descobrindo / minha vocação: o amor.
7 - Sentimento é coisa vaga! / Por meus atos provarei / que o amor com amor se paga: / toda cruz abraçarei.

546 (Tom: E) Letra e Música: Pe. José Weber (Cantai - CD 2 / CD Cantos de abertura e comunhão - Paulus)
Nós somos muitos, mas formamos um só Corpo, / que é o Corpo
do Senhor, a sua Igreja; / pois todos nós participamos do mesmo
pão da unidade, / que é o Corpo do Senhor, a comunhão.
1 - O pão que, reunidos, nós partimos / é a participação / do Corpo do Senhor.
2 - O cálice por nós abençoado / é a nossa comunhão / no Sangue do Senhor.
3 - À ordem do Senhor obedecendo, / celebremos a memória / da ossa redenção.
4 - Da Ceia do Senhor participando, / pelo Espírito seremos / unidos num só Corpo.
5 - Seu Corpo e seu Sangue comungando, / sua morte anunciamos
/ até que Ele venha.

547 (Tom: Dm) Letra e Música: Pe. Geraldo Leite Bastos (CD Tríduo Pascal I - Paulus)
Ninguém pode se orgulhar a não ser nisto, / nos orgulhamos na cruz de Jesus Cristo. / Nele está a vida e a ressurreição, / nele, a
esperança de libertação!
1 - Deus se compadece e de nós se compraz, / em nós resplandece
seu rosto de paz.
2 - Pra que o povo encontre, Senhor, teu caminho / e os povos descubram teu terno carinho.
3 - Que todos os povos te louvem, Senhor, / que todos os povos te cantem louvor!
4 - Por tua justiça se alegram as nações, / com ela governas da praia aos sertões.
5 - O chão se abre em frutos, é Deus que abençoa! / E brote dos cantos do mundo esta loa!

548 (Tom: D) Letra: José Thomaz Filho / Música: Frei Fabreti (CD Liturgia XVI - Paulus)
Salmo 23/22
1 - Pelos prados e campinas verdejantes, eu vou! / É o Senhor que me leva a descansar. / Junto às fontes de águas puras, repousantes, eu vou! / Minhas forças o Senhor vai animar!
Tu és, Senhor, o meu Pastor, / por isso nada em minha vida faltará. (bis)
2 - Nos caminhos mais seguros junto dele, eu vou! / E pra sempre o seu nome eu honrarei. / Se eu encontro mil abismos nos caminhos, eu vou! / Segurança sempre tenho em suas mãos!
3 - No banquete em sua casa, muito alegre, eu vou! / Um lugar em
sua mesa me preparou! / Ele unge minha fronte e me faz ser feliz, / e transborda a minha taça em seu amor!
4 - Com alegria e esperança, caminhando eu vou! / Minha vida está
sempre em suas mãos. / E na Casa do Senhor eu irei habitar. / E este canto para sempre irei cantar!

549 (Tom: E) Letra e Música: Série “Povo de Deus” (CD Liturgia XIII - Paulus)
Salmo 45/44
Então, da nuvem luminosa dizia uma voz: / “Este é meu Filho amado, escutem sempre o que Ele diz!”
1 - Transborda um poema do meu coração: / vou cantar-vos, ó Rei,
esta minha canção.
2 - Sois tão belo, o mais belo entre os filhos dos homens! / Porque
Deus, para sempre, vos deu sua bênção.
3 - Levai vossa espada de glória no flanco, / herói valoroso, no vosso
esplendor.
4 - Saí para a luta no carro de guerra / em defesa da fé, da justiça e verdade.
5 - Vosso trono, ó Deus, é eterno, sem fim; / vosso cetro real é sinal
de justiça.
6 - Vós amais a justiça e odiais a maldade. / É por isso que Deus vos ungiu com seu óleo.
7 - Cantarei vosso nome de idade em idade, / para sempre haverão
de louvar-vos os povos.

550 (Tom: G) Letra: Liturgia das Horas / Música: Frei Joel Postma (CD Festas
Litúrgicas IV - Paulus)
Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, / porque deles é o Reino dos céus! (2x)
1 - Senhor Deus, a vós elevo a minha alma, / em vós confio: que eu
não seja envergonhado!
2 - Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos / e fazei-me conhecer a vossa estrada!
3 - Vossa verdade me oriente e me conduza, / porque sois o Deus da minha salvação!
4 - Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura / e a vossa compaixão
que são eternas!
5 - O Senhor é piedade e retidão / e reconduz ao bom caminho os pecadores.
6 - Ele dirige os humildes na justiça / e aos pobres Ele ensina o seu
caminho.
7 - O Senhor se torna íntimo aos que o temem / e lhes dá a conhecer sua Aliança.

551 (Tom: G) Letra e Música: João Carlos Ribeiro (Cantai - CD 1 / CD Liturgia X - Paulus / CD Verde Conquista - Paulinas)
1 - Andavam pensando, tão tristes, / de Jerusalém a Emaús, / os dois seguidores de Cristo, / logo após o episódio da cruz. / Enquanto assim vão conversando, / Jesus se achegou devagar: / “De que vocês vão palestrando?” / E ao Senhor não puderam enxergar.
Fica conosco, Senhor, / é tarde e a noite já vem! / Fica conosco,
Senhor, / somos teus seguidores também!
2 - Não sabes então, forasteiro, / aquilo que aconteceu? / Foi preso
Jesus Nazareno, / Redentor que esperou Israel. / Os chefes a morte
tramaram / do santo profeta de Deus; / o justo foi crucificado, / a esperança do povo morreu.
3 - Três dias, enfim, se passaram, / foi tudo uma doce ilusão; / um susto as mulheres pregaram: / não encontraram seu corpo mais não. / Disseram que Ele está vivo, / que disso souberam em visão. / Estava o sepulcro vazio, / mas do Mestre ninguém sabe não.
4 - Jesus foi, então, relembrando: / pro Cristo na glória entrar, / profetas já tinham falado, / sofrimentos devia enfrentar. / E, pelo caminho afora, / ardia-lhes o coração: / falava-lhes das Escrituras,
/ explicando a sua missão.
5 - Chegando, afinal, ao destino, / Jesus fez que ia passar, / mas eles
demais insistiram: / “Vem, Senhor, vem conosco ficar!” / Sentado com eles à mesa, / deu graças e o pão repartiu; / dos dois foi tão grande a surpresa: / “Jesus Cristo, o Senhor, ressurgiu”.

552 (Tom: C) Letra: Jairo Lara / Música: Pe. Élio Athayde (Cantai - CD 7)
Senhor, dá-me de beber / uma água pura que me faz viver. (bis)
1 - Esta história aconteceu à beira do poço de Sicar. / Uma mulher
samaritana o Cristo veio a encontrar.
2 - Ela, sendo samaritana, com Cristo não podia conversar. / Quando
Jesus lhe pediu água, ela queria lhe negar.
3 - E foi, então, que o Mestre amigo lhe censurou a indecisão: / “Todos que bebem desta água, sempre com sede ficarão!”
4 - “Ah! se soubesses quem te fala e quem te pede de beber, / lhe pedirias água viva, e sede não irias ter!”
5 - Esta história ‘inda acontece com quem não ouve a voz de Deus.
/ Morre de sede ao pé da fonte; fonte é o amor, e o amor é Deus.

553 (Tom: Gm) Versão e Música: Reginaldo Veloso (CD Liturgia X e XVI - Paulus)
Salmo 69/68
O Senhor subiu ao céu, / aleluia, aleluia! (bis)
1 - Levanta-se Deus, cadê os inimigos? / Na sua presença perecem
os iníquos! / São como fumaça que desaparece, / são cera no fogo, que logo derrete!
2 - Os justos se alegram diante de Deus; / cantai ao Senhor, vibrai,
filhos seus! / Abri o caminho ao grão-cavaleiro, / dançai diante dele, Senhor justiceiro.
3 - Dos órfãos é Pai, das viúvas juiz, / em sua morada só Ele é quem
diz: / “Quem estava sozinho, família encontrou, / quem estava oprimido, tua mão libertou!”
4 - À frente do povo saíste, ó Deus! / Os céus gotejaram, a terra tremeu: / na sua presença se abala o Sinai, / é Deus que avança, que avança e vai!
5 - U’a chuva abundante do céu derramaste / e a tua herança exausta saciaste; / fizeste em tua paz viver teu rebanho, / e os necessitados tiveram seu ganho.
6 - Falou sua palavra, saem os portadores, / debandam os reis e fartam-se os pobres! / Imenso é o poder de Nosso Senhor / subindo às alturas, cativos levou.
7 - Bendito Tu sejas, Senhor, todo dia, / Tu és quem nos salva, quem nos alivia; / és Tu nosso Deus, o Libertador! / Quem livra da morte, só mesmo o Senhor!

554 (Tom: C) Letra: Missal Romano e Lecionário / Música: Frei Joel Postma (CD Liturgia XVI - Paulus)
Todos ficaram cheios do Espírito Santo / e proclamavam as maravilhas de Deus. Aleluia!
1 - Ó justos, alegrai-vos no Senhor, / aos retos fica bem glorificá-lo.
/ Dai graças ao Senhor ao som da harpa, / na lira de dez cordas celebrai-o!
2 - A palavra do Senhor criou os céus / e o sopro de seus lábios, as
estrelas. / Como num odre junta as águas do oceano / e mantém no seu limite as grandes águas.
3 - Adore o Senhor a terra inteira / e o respeitem os que habitam o universo! / Ele falou e toda a terra foi criada, / Ele ordenou e as coisas todas existiram.
4 - No Senhor nós esperamos confiantes, / porque Ele é nosso auxílio e proteção! / Por isso o nosso coração se alegra nele, / seu santo nome é para nós uma esperança.

555 (Tom: D) Versão e Música: Reginaldo Veloso (CD Liturgia X - Paulus)
Perseveravam todos unidos em oração, / os doze apóstolos / com Maria e os irmãos. / Chegado o dia de Pentecostes / veio um
tremor / e de repente o Santo Espírito os animou! (Ezequiel 36,24-38) 1 - É outro o vinho que nos anima, / entendei todos nossa alegria, / Joel profeta já predissera, / sucederá nos últimos dias. / E sucedeu nos últimos dias: / fechou-se o tempo, abriu-se o céu! / Cumpriu-se, então, outra profecia / que Deus falou por Ezequiel:
2 - De toda a terra vos tirarei, / vos tomarei de entre as nações, / todos unidos conduzirei / pra terra santa da promissão! / Na terra santa da promissão / com água pura vos lavarei, / toda a imundície, toda a ilusão, / de tudo vos purificarei!
3 - E vos darei novo coração / e novo espírito em vós porei, / não mais tereis coração de pedra, / um coração de carne darei! / Um coração de carne darei / e o meu espírito em vós porei: / Na minha lei havereis de andar, / meu mandamento ireis praticar.
4 - E habitareis uma nova terra, / terra que a vossos pais destinei; / e assim sereis sempre o meu povo / e vosso Deus pra sempre serei!/ E vosso Deus pra sempre serei, / da terra os frutos irei vos dar; / da vida o pão multiplicarei, / jamais a fome vos matará!
5 - No dia em que vos purificar / de todas vossas iniquidades, / vossos desertos serão povoados / e habitadas, vossas cidades! E habitadas vossas cidades, / os vossos campos florescerão; / e a terra seca será jardins; / nações, dai glória ao amor sem fim!

556 (Tom: Dm) Letra: Antônio do Prado / Música: Frei Joel Postma (CD Cantos
de abertura e comunhão - Paulus)
1 - Nós te damos muitas graças, / ó Pai Santo, ó Senhor, / por teu nome que nos deste / em Jesus, teu servidor.
Glória a ti, Senhor, / graças e louvor!
2 - Dás a todos o alimento / que a terra lhes produz. / Para nós Tu reservaste / o Pão vivo, que é Jesus.
3 - E liberta tua Igreja / do poder de todo mal. / Que ela seja una e santa / no teu Reino imortal!
4 - Ó Senhor, que venha a graça, / todos voltem para o bem! / Passe
o mundo transitório, / vem, Senhor Jesus! Amém!

557 (Tom: F) Letra e Música: Reginaldo Veloso (CD Cantos de abertura e comunhão - Paulus)
Um cálice foi levantado, um pão entre nós partilhado; / o povo comeu e bebeu e anunciou: o amor venceu!
1 - Ó Pai, Senhor Deus do céu e da terra, / te louvo porque aos pequenos revelas / segredos que aos sábios do mundo escondes, / e aos gritos dos teus pequeninos respondes.
2 - Ó gente, deixai vir a mim as crianças, / pois delas do Reino será a herança. / Quem não como elas o Reino acolher, / jamais do Reino, jamais há de ser.
3 - De vós quem ser o maior pretender, / vá logo o mais pequenino
acolher; / pois só quem for dos demais servidor / no Reino de Deus há de ser o maior.
4 - Crianças, aos prados mais verdes correi! / Ovelhas, dos pastos da vida comei! / Jesus, Jesus bom Pastor, vos conhece, / e hoje seu Corpo e seu Sangue oferece.

558 (Tom: E) Letra e Música: Reginaldo Veloso (CD Cantos de abertura e comunhão - Paulus)
O Senhor poderoso em amor / um banquete pra nós preparou. (bis)
Vinde todos comer do manjar / e do vinho mais fino provar. (bis)
1 - Pois o Reino do Céu é uma festa / que um rei preparou pra seu
Filho / e mandou os seus servos saírem / convidando a todos os amigos.
2 - “Dizei, pois, que o banquete está pronto / e que tudo já está preparado!” / Mas, por mais que o rei insistisse, / não vieram os seus convidados.
3 - E o rei ficou foi desgostoso, / ficou mesmo até indignado / e mandou convidar todo o mundo / para a festa do seu Filho amado.
4 - E o salão ficou mesmo repleto / dessa gente que o mundo despreza: / dos sem-vez, dos sem-voz, dos sem-nada. / E os pequenos fizeram a festa!

559 (Tom: G) Letra: DR / Música: Frei José A. Fontanella (CD Festas Litúrgicas
II - Paulus)
Houve um homem enviado por Deus / para ser testemunha da luz. / João Batista, uma voz no deserto, / anunciando o Messias Jesus.
1 - Bendito o Deus de Israel, / que a seu povo visitou / e deu-nos libertação / enviando um Salvador / da casa do rei Davi, / seu ungido servidor.
2 - Cumpriu a voz dos profetas / desde os tempos mais antigos. /  Quis libertar o seu povo / do poder dos inimigos, / lembrando-se da aliança / de Abraão e dos antigos.
3 - Fez a seu povo a promessa / de viver na liberdade / sem medo e sem pavores / dos que agem com maldade / e sempre a ele servir / na justiça e santidade.
4 - Menino, serás profeta / do Altíssimo Senhor / pra ir à frente aplainando / os caminhos do Senhor, / anunciando o perdão / a um povo pecador.
5 - É ele o Sol do Oriente / que nos veio visitar. / Da morte, da escuridão / vem a todos libertar / a nós, seu povo reunido, / para a paz faz caminhar.
6 - Ao nosso Pai demos glória / e a Jesus, louvor também. / Louvor
e glória, igualmente, / ao Espírito que vem. / Que nosso louvor se estenda / hoje, agora e sempre. Amém!

560 (Tom: D) Letra: Frei José Moacyr Cadenassi / Música: Pe. Ney B. Pereira (CD Festas Litúrgicas II - Paulus)
Toda a Igreja unida celebra / a memória pascal do Cordeiro, / irmanada com Pedro e com Paulo, / que seguiram a Cristo por primeiro!
1 - Publicai em toda a terra os prodígios do Senhor: / reuniu seu povo amado para o canto do louvor.
2 - Bendizei, louvai por Pedro, pela fé que professou: / essa fé é a rocha firme da Igreja do Senhor.
3 - Bendizei, louvai por Paulo, pelo empenho na missão: / o seu zelo do Evangelho leva ao mundo a salvação.
4 - Alegrai-vos neste dia que o martírio iluminou: / o triunfo destes santos nos confirme no amor.

561 (Tom: Dm) Letra: Jocy Rodrigues / Música: DR (CD Liturgia XI - Paulus)
Se houver amor na vida, / se houver sempre união, / Jesus faz de
água vinho / e multiplica o pão.
1 - Nas bodas de Caná, / o vinho terminou. / Maria, ao perceber, / ao Filho seu falou.
2 - Para atender os noivos, / Jesus vai sem demora / na era dos milagres / antecipar a hora.
3 - Maria pede aos servos / que queiram executar / aquilo que seu
Filho / lhes vai determinar.
4 - A água, simples água, / humilde, tão banal, / Jesus co’amor transforma / em vinho especial.
5 - Se, um dia, faltar vinho / na vida do casal, / Jesus fará, na certa, / da água um vinho igual.

562 (Tom: Eb) Versão e Música: Reginaldo Veloso (CD ODC/Salmos e cânticos
bíblicos, v.3)
SALMO 139/138
Tu és a luz, Senhor, / do meu andar, Senhor, / do meu lutar, Senhor, / força do meu sofrer. / Em tuas mãos, Senhor, / quero viver.
1 - Meu coração penetras / e lês meus pensamentos; / se luto ou se
descanso, / Tu vês meus movimentos, / de todas mi’as palavras / Tu tens conhecimento.
2 - Quisesse eu me esconder, / do teu imenso olhar, / subir até o céu, / na terra me entranhar, / atrás do horizonte, / lá irias te encontrar.
3 - Por trás e pela frente, / me envolves, Deus, e cercas, / pões sobre mim tua mão, / me guias, me acobertas. / O teu saber me encanta, / me excede e me supera.
4 - Se a luz do sol se fosse, / que escuridão seria!... / Se as trevas me envolvessem, / o que me adiantaria?... / Pra ti, Senhor, a noite / é clara como o dia.
5 - No seio de minha mãe, / Tu me teceste um dia. / Senhor, eu te agradeço / por tantas maravilhas, / meus ossos, minha alma / de há muito conhecias.
6 - Quando, então, me formavas / misteriosamente, / minhas ações
previas, / no livro de tua mente, / meus dias já contados / antecipadamente.
7 - Teus planos insondáveis, / ó meu Deus infinito, / somá-los eu quisera / é um areal infindo, / e, assim que me desperto, / ainda estou contigo.
8 - Que os maus da terra sumam, / pereçam os violentos, / que tramam contra ti / com vergonhoso intento: / abusam do teu nome / pra seus planos sangrentos.
9 - Mas vê meu coração, / e minha angústia sente; / olha, Senhor, meus passos; / se vou erradamente, / me guia no caminho, / da vida para sempre!
10 - Como é profunda, ó Pai, / tua sabedoria! / Fizeste amanhecer / em Cristo novo dia, / e, por teu Santo Espírito, / qual mãe de amor nos guias.

563 (Tom: A) DR
Quem quiser vir após mim, meu caminho é paz e luz,/ abandone o próprio ser e abrace a sua cruz!
1 - Este pão que te alimenta, é o meu Corpo que te dou; / vem a mim, não terás fome, serás farto em meu amor!
2 - Quero dar-te a vida eterna, vida plena em minha paz; / segue sempre o meu caminho, / paz e luz sempre terás!
3 - Mesmo antes do calvário, fiz-me pão pra sustentar / todo aquele que, na terra, minha cruz vir abraçar!
4 - Se a cruz demais pesada os teus ombros vir ferir, / dor e cruz se
tornam vida, só na cruz serás feliz!
5 - Vês a rosa, flor singela, alegrando o teu caminho? / Toda dor é redimida, toda rosa vem do espinho!
6 - Quem, na estrada desta vida, ajudar na cruz do irmão, / por morada eu ofereço / o meu próprio coração!

564 (Tom: Cm) Letra e Música: Frei Fabreti
1 - Vou sair pelos prados buscando ovelhas que estão sem pastor,
/ Eu as trarei com carinho de volta, sem fome ou temor! / Nos meus ombros, ovelhas feridas, sem dor, poderão descansar! / Devolverei os seus campos, darei novamente a paz!
Sou Rei, sou o Bom Pastor! Vinde ao banquete que vos preparei,
e fome jamais tereis! / A quem vamos, ó Senhor? / Só Tu tens palavra de vida e te dás em refeição!
2 - Maus pastores que perdem ovelhas, distante de mim os terei, / noutras pastagens, seguras, pastores fiéis chamarei. / Novo Reino farei do meu povo, rebanho sem mais opressão: / todos serão conduzidos à vida por minhas mãos!
3 - Sou a porta segura do aprisco, rebanho feliz eu farei: / de todo o
mal e injustiça, ovelhas eu defenderei! / Mercenários, que fogem pra longe deixando o rebanho ao léu, / não terão parte comigo no Reino que vem do céu!
4 - Se uma ovelha deixar o meu campo e outro caminho seguir, / deixo o rebanho seguro e vou procurar a infeliz. / Ao trazê-la, haverá alegria, e os anjos do céu vão cantar; / será a festa da volta: rebanho vai se alegrar!
5 - Eu conheço as ovelhas que tenho, e todo o rebanho, minha voz; / se chamo, então, pelo nome, a ovelha virá bem veloz! / Buscarei os cordeiros distantes, e em mim terão força e amor, / farei somente um rebanho, e Eu mesmo serei pastor!

565 (Tom: G) Versão: Reginaldo Veloso / Música: Roberto Jef (CD Liturgia XV - Paulus)
SALMO 23/22
Vós sois meu Pastor, ó Senhor, / nada me faltará se me conduzis.
1 - Em verdes pastagens me leva a repousar. / Em fontes bem tranquilas, as forças recobrar.
2 - Por justos caminhos, meu Deus, vem me guiar. / De todos os perigos, meu Deus, vem me livrar!
3 - Meu Deus junto a mim, o mal não temerei; / seguro em seu cajado, tranquilo eu estarei.
4 - Me preparais a mesa perante o opressor, / me perfumais a fronte,
minha taça transbordou.
5 - Felicidade e amor sem fim me seguirão, / um dia em vossa casa,
meus dias passarão.
(tempo pascal):
Vencestes a morte, ó Jesus, / ressuscitado sois, Cristo, nossa luz!
(santos, santas e fiéis falecidos):
Felizes pra sempre estarão, / em vossa casa, ó Deus, sempre habitarão!

566 (Tom: Dm) Letra: Frei José Moacyr Cadenassi / Música: Adenor Leonardo
Terra (CD Luz da Luz - Paulus)
1 - Nossos hinos a vós celebram, / Cristo vivo, Senhor da glória! / Contemplamos em vossa face / luz radiante da nova história!
Eis meu Filho muito amado; escutai-o, / vosso Pai é quem nos diz! / No Tabor nós revivemos a vitória / que o céu para sempre bendiz!
2 - Revestido de nossa carne, / sois a porta do paraíso / revelando em nossa terra / o segredo de um sorriso!
3 - Pela vossa real presença / inimigos são dominados, / pois nascestes em nosso meio / como Filho do Pai gerado!
4 - Das torrentes do amor eterno / saciastes o vosso povo! /  Concedeinos perseverança / como membros do vosso corpo!
5 - Assentastes do Pai à destra / com o cetro vitorioso, / conduzindo a humanidade / com amor sempre copioso!

567 (Tom: G) Letra e Música: Frei Luiz Turra (CD Festas Litúrgicas II - Paulus)
1 - Tanta gente vai andando na procura de uma luz, / caminhando na esperança se aproxima de Jesus. / No deserto sente fome e o Senhor tem compaixão. / Comunica sua palavra: vai abrindo o coração.
Dai-lhes vós mesmos de comer, / que o milagre vai acontecer. (bis)
2 - Quando o pão é partilhado, passa a ter gosto de amor; / quando
for acumulado gera morte traz a dor. / Quando o pouco que nós temos se transforma em oblação, / o milagre da partilha serve a mesa dos irmãos.
3 - No altar da Eucaristia, o Senhor vem ensinar / que o amor é verdadeiro quando a vida se doar. / Peregrinos, caminheiros, vamos juntos como irmãos, / na esperança repartindo a palavra e o mesmo pão.
4 - Deus nos fez à sua imagem, por amor acreditou. / Deu-nos vida e
liberdade, tantos dons nos confiou. / Responsáveis pelo mundo para a vida promover. / Desafios que nos chegam vamos juntos resolver.

568 (Tom: G) Letra e Música: Ir. Elizabete T. do Prado (CD As crianças cantam...
Primeira Eucaristia e Celebrando com Maria - Paulus)
1 - Ao redor da mesa sagrada estamos, Senhor, / celebrando a fé, a partilha do vinho, do pão; / Teu Corpo e Sangue, Aliança de amor.
Pela primeira vez, pela primeira vez, venho Jesus comungar. / Pela primeira vez, pela primeira vez, venho, Jesus, comungar teu amor.
2 - Somos filhos, irmãos; a Igreja, no Pai, comunhão. / Qual os ramos
na mesma videira, divino cuidar. / Do corpo, os membros; um só coração.
3 - Comungar é também se envolver, é se comprometer. / Teus discípulos somos, queremos teus passos seguir. / O teu projeto anunciar e viver.

569 (Tom: G) Letra: Jacques Berthiet / Música: Taizé (Cantai - CD 24)
Comam do pão, bebam do cálice, quem a mim vem não terá fome. / Comam do pão, bebam do cálice, quem em mim crê não terá sede.